Saiba o que pode ser feito com a perna mecânica de Wagner Montes, morto neste sábado (26)

O apresentador, jornalista e político Wagner Montes morreu neste sábado (26), aos 64 anos, de sepse abdominal e choque séptico. Um dos nomes mais polêmicos da TV brasileira, Montes usava uma perna mecânica após acidente de triciclo no Rio de Janeiro, em 1981. À época desse acidente, o apresentador fazia parte de um programa do SBT.

Segundo ele, em diversas entrevistas, Silvio Santos foi quem deu a prótese para ele. O empresário teria ligado para o pai de Wagner Montes, logo depois do acidente, e informou que compraria a prótese mais moderna.

Com a morte do jornalista, fica a dúvida do destino de sua prótese. Afinal de contas, ela será enterrada com o corpo de Wagner Montes ou não? Normalmente próteses móveis são retiradas e não são enterradas. A não ser que a família peça ao Instituto Médico Legal e a funerária responsável para que deixe o objeto.

As próteses fixas, como implante de silicone, próteses de titânio usadas em fraturas de ossos, entre outras, são enterradas junto com o corpo. No caso do silicone, por exemplo, ele é retirado quando ocorre a exumação do corpo. Por ser um material sintético, sua decomposição demoraria em média de 100 anos.

Marca-passos, equipamentos utilizados no coração, são retirados. A Pace4Life é uma entidade que recolhe esses materiais, esteriliza e faz doações para pessoas carentes em países em desenvolvimento.

No caso de uma perna mecânica, há doação pode ser ainda mais fácil. Diversas entidades, religiosas ou não, recebem esse tipo de material, além de muletas e cadeiras de rodas, para doação.