Dispara número de mortos em Brumadinho e tragédia passa a ser classificada como ‘Pior do mundo’

A cada dia que passa, o número de mortes confirmadas na tragédia ocorrida em Brumadinho, no estado de Minas Gerais, aumenta. Muitos desaparecidos ainda encontram-se, muito possivelmente, no meio da lama, e com este cenário de calamidade o Brasil pode vir a se tornar, lamentavelmente, a sede da pior tragédia humana oriunda do rompimento de barragens de minério dos últimos trinta anos, segundo apuração do portal de notícias internacional BBC..

O relatório da Agência de Meio Ambiente das Nações Unidas apresenta os maiores rompimentos de barragens ocorridos desde o ano de 1985. Para se ter uma ideia, só nos últimos cinco anos, oito grandes acidentes neste sentido ocorreram pelo mundo.

O nosso país, infelizmente, tem destaque nesta lista. Em nosso território foram registrados os maiores números de acidentes envolvendo barragens, com três casos, envolvendo perda humana ou grave dano ambiental.

Em 2014, houve o rompimento de uma barragem da Herculano Mineração, na cidade mineira de Itabirito, provocando três mortes. Em 2015, no município de Mariana, o vazamento na barragem do Fundão, gerou 19 mortes. Agora, com a tragédia ocorrida em Brumadinho, ainda não é possível afirmar com exatidão o número de mortos, diante das buscas que ainda continuam.

Até o momento, o relatório das Nações Unidas, publicado em 2018, apresenta como sendo o mais trágico, o rompimento de uma barragem no norte da Itália, no ano de 1985.

Coincidentemente na hora do almoço, 180 mil metros cúbicos de lama, oriunda da barragem administrada pela companhia Prealpi Mineraria, varreram as cidades de Stava e Tesero. Nesta tragédia, 267 pessoas foram mortas, envolvendo, inclusive, famílias inteiras.