Amamentação x coronavírus: recomendações de médicos para proteger você e o bebê

A pandemia do novo coronavírus registrou o seu pior índice no Brasil na tarde desta terça-feira (31). Os dados mais recentes registram 4.579 casos e 201 óbitos. Sendo mais de mil casos novos em um único dia.

Devido a esses números alarmantes, muitas mamães que ainda estão amamentando estão com dúvidas sobre como proteger melhor seus bebês e a elas mesmas. Esse artigo vai ajudar as lactantes a esclarecer algumas dúvidas, segundo orientações de médicos.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que os bebês devem ser alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses de vida, e depois o acréscimo gradativo de alimento até os dois anos de idade.

Segundo os médicos da Sociedade Brasileira de Pediatria e a FEBRASGO, a amamentação deve ser seguida normalmente, mesmo nos casos suspeitos ou confirmados.

“Tanto órgãos nacionais quanto internacionais incentivam que a mãe suspeita e a mãe confirmada para o Covid-19, desde que esteja em boas condições de saúde e for o desejo dela, deve amamentar”, acrescenta Cinthia Calsinski, enfermeira obstetra.

Além das recomendações médicas, a FEBRASGO ressalta que diversos testes foram realizados nos recém-nascidos de mulheres contaminadas e em todos o teste deu negativo. O órgão ressalta que tudo indica que uma possível contaminação da Covid-19 é muito menor do que o benefício de uma amamentação.

As medidas seguem as seguintes para as mães em geral: lavar as mãos por no mínimo 20 segundos antes de pegar o bebê e evitar aglomerações de pessoas junto da criança.

Para mães contaminadas: usar máscara, não beijar nem abraçar a criança, fazer a higiene respiratória com soro, limpar e desinfetar todas as superfícies onde o bebê possa ter contato. Caso prefira ordenhar, peça ajuda a alguém.